quarta-feira, 31 de Outubro de 2012

Feliz dia das bruxas!

Soam as 12 badaladas da meia-noite. O silêncio reina, apenas interrompido pelo pio da coruja e o miado de um gato que se esgueira na escuridão. É a hora apropriada para abrir o velho livro de feitiços. A vassoura encostada a um canto, espera o momento de ser usada. Depois de pensar um instante, a bruxa reúne os ingredientes que existem em sua casa, abre frascos, remexe nos armários. Um morcego esvoaça por ali e um corvo observa impávido. Na fogueira acesa, o caldeirão negro ferve e pacientemente a bruxa mexe o conteúdo com a colher de pau, murmurando suavemente as palavras mágicas.
No caldeirão junta amor, compreensão, união, mexe com uma pequena dose de esperança, tempera com serenidade e uma dose de imaginação. Murmura suavemente as palavras mágicas encantadas: Todos somos capazes. Filtra a poção, para retirar vestígios de tristeza, resíduos de opressão, poeiras de raiva, inveja e preguiça. Ergue, finalmente, o frasco com o precioso líquido contra a luz da vela e o brilho do ouro cintila, fazendo com que o corvo bata as asas. A bruxa monta na sua velha, mas potente vassoura e sobrevoa Portugal aspergindo a poção mágica de norte a sul, em todos os cantos. Já nascia o sol quando voltou para casa e foi finalmente repousar.

Nesta manhã todos acordaram e sem explicação se sentiram diferentes. Tudo estava aparentemente igual. O sol brilhava como sempre, estava até um pouco frio e algumas nuvens pairavam no céu, mas no coração de todos reinava o calor humano, uma vontade de sair à rua, sorrir e cantar. Uma alegria contagiante de celebração da vida explodia por todos os lados, bons-dias acompanhados de sorrisos eram trocados. Conversas leves e interessantes surgiram. Ideias novas apareceram e foram compartilhadas. Houve compaixão por quem necessitava dela. Ombros amigos para apoiar. Energia. Animo. As pessoas se olhavam e maravilhavam-se por estarem aqui e agora. Sim. A vida estava aparentemente igual, linda como sempre à espera de ser desfrutada e agora isso ia acontecer porque o medo desaparecera.
O feitiço funcionou!

Gomas de abóbora, para ofertar aos pequeninos feiticeiros que transforam o nosso coração: as crianças.
Receita aqui.


3 comentários:

  1. Gostaria muito que esta bruxinha tivesse feito esta viagem, e que todos tivessemos mais bem dispostos, que Portugal tivesse com um futuro melhor.
    Mas é preciso ter esperança e todos podemos colocar um pouquinho na construção de uma vida melhor: da "CRISE", tire o "S" e "CRIE" "Solidariedade"...
    Um bom friado
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Já fui espreitar as gomas e devem ser delíciosas.
    Um ótima ideia para este dia de bruxas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Adorei Lina, o texto foi magnifico e repleto de esperanças, um sentimento do qual não podemos desistir nunca. Adorei seu morceguinho, ficou com uma carinha linda de morceguinho mau hehe. As gominhas super delicadas. Um grande beijo amiga

    ResponderEliminar